• facebook-performancefuncional
  • youtube-performancefuncional
  • instagram-performancefuncional

Rio de Janeiro/RJ

+55 (021) 98944-2033

  • Diego Spinelli

O mito do treinamento proprioceptivo

Atualizado: 18 de Ago de 2019

Sem compreender o conceito de propriocepção e equilíbrio, é difícil compreender a controvérsia em relação ao “treinamento proprioceptivo”, e esse é o nosso desafio nesse texto, esclarecer cada passo de forma simples e objetiva. O texto é "grande" mas garanto que vale a pena, boa leitura!

Existe certa urgência na utilização do “treinamento proprioceptivo” em instalações de treinamento, academia e fitness em geral, parece refletir os atuais esforços da função neuromuscular e controle postural em programas de treinamento, e em alguns casos com objetivo de melhora da performance. Embora seja encorajado em algumas ocasiões, a correção de crenças místicas sobre o tema é necessário para uma aplicação mais adequada. A propriocepção é algumas vezes considerada como um fator-chave para o equilíbrio e prevenção de lesões .... Mas será mesmo?

Alguns especialistas utilizam para a recuperação da função sensório-motora que sugere inicialmente a ideia do "treinamento proprioceptivo", onde tornou-se um exagero. Um conceito e aplicação generalista criou dois principais equívocos que se sustentam até hoje (espero não se sustentar mais depois desse artigo):

1) Uma é a suposição prematura de que a propriocepção pode ser melhorada com o treinamento físico de forma específica.

2) A outra é a crença de que a propriocepção é um fator de melhoria do equilíbrio em todas as ocasiões, onde uma coisa não tem nada haver com a outra. (Hertel, J. 2000), o controle de equilíbrio é um processo de controle motor intricado afetado não apenas pela função neuromuscular, mas também pelos cognitivos e ambientais.

Primeiro, é importante compreender as definições de propriocepção e equilíbrio. Vamos à elas!

O que é propriocepção? Propriocepção envolve consciência da posição e sentido articular, movimento (cinestesia), força, carga imposta e esforço (força sentida) (Martin e jessell, 1991; riemann e lephart, 2002). A propriocepção é o produto de informação sensorial fornecidas por especializadas terminações nervosas denominadas mecanorreceptores - Transdutores de estímulos mecânicos de conversão e ações potenciais de transmissão para o SNC (Martin e jessell, 1991; yahia et al., 1992). De acordo com isto, a propriocepção é uma inconsciente percepção; uma informação aferente dos proprioceptores. Mecanorreceptores especificamente contribuindo para propriocepção são também denominados proprioceptores, e pode ser encontrado em músculos, tendões, articulações, fáscia e pele. Vejam eles no quadro abaixo:


O fuso muscular, encontrado em todos os músculos esqueléticos em paralelo com a fibra muscular (Peck et al., 1984; kulkarni et al., Bancos, 2001; 2006) é considerado a mais importante fonte de propriocepção (Gordon, 1991; Proske e Gandevia, 2012). Eles são altamente sensíveis e sua densidade varia amplamente em todo o corpo, refletindo diferentes exigências funcionais. Por exemplo, o músculo sub-occipital na região nucal tem uma excepcional alta densidade de fusos musculares, para refletir a coluna cervical, e papel único na cabeça e controle do movimento ocular (Liu et al., 2003). É importante notar que a sensibilidade dos eixos musculares pode ser ajustada através da inervação das extremidades polares das fibras musculares intrafusais por neurônios motores gama (Gordon, 1991).

Os proprioceptores têm sido historicamente considerados "detectores de limite", estimulados nos extremos da amplitude de movimento articular (ROM) (Burgess e Clark, 1969). Contudo, sabe-se agora que os proprioceptores articulares fornecem a entrada durante toda a ROM de uma articulação sob condições de carga baixa e alta, estimulando descargas fortes do fuso muscular e, portanto, são vitais para a estabilidade da articulação (Sojka et al., 1989; Johansson et al., 1990; Needle et al., 2013).

Segundo Lephart at al, 2000, baseado em Sherrington que mais tarde definiu esta consciência da posição do corpo e movimento como "propriocepção", como uma percepção não necessariamente percebida conscientemente, mas contribui para as sensações musculares, postura total e estabilidade das articulações. De acordo com a definição de Sherrington, propriocepção é a informação aferente da proprio-ceptores - Proprio-ceptores são receptores periféricos sensoriais localizados no campo proprioceptivo (O termo "proprio" do latín propius, que significa Próprio). Os campos proprioceptivos são áreas dos tecidos articulares e profundos, que são capazes de percepção da auto-posição e movimento.

Em suma, propriocepção é a auto-percepção do corpo. Posição segmentar e movimento, o que contribui para precisão, consistência e controle coordenado reflexivo e cognitivo humano. É por isso que a mobilidade articular (entretanto deve-se avalia-la antes de intervir, para saber se um causa ou consequência) é tão importante para a percepção. Se a mobilidade for reduzida, as informações aferentes dos proprioceptores provavelmente serão afetadas negativamente, resultando em menos "consciência proprioceptiva".

E o equilíbrio?

O equilíbrio é um termo mecânico que descreve o estado de um objeto quando as cargas resultantes que atuam sobre ele é zero (Pollock et al., 2000). Um objeto está em equilíbrio quando seu centro de gravidade (CG) cai dentro de sua base de suporte (BS), evitando a queda.

O equilíbrio humano, ou controle postural, é a capacidade de manter a estabilidade mudando a linha de gravidade (LG) dentro de BS, ou mudando a BS para evitar a queda (Pollock et al., 2000). A principal diferença entre os objetos e os seres humanos é que entre os seres humanos, mesmo nos casos em que o LG cai fora de seu BS a queda não é uma certeza, porque podemos recuperar o equilíbrio através de uma pisada vigorosa ou balanço (utilizando estratégias em um degrau, com o tornozelo e quadril, por exemplo). Além disso, também precisamos que LG ocasionalmente caia fora de BS, com o objetivo de acelerar, desacelerar, mudar de direção e outras tarefas dinâmicas na vida diária ou no meio desportivo.

Podemos ainda definir o equilíbrio humano, como manutenção de uma postura estática, movimento entre diferentes posturas e reação a um estímulo externo. Para atingir esses objetivos, é preciso um controle voluntário, mas também reflexivo do movimento (Horak, 2006). Portanto, o equilíbrio humano relaciona-se com as capacidades conscientes e reflexivas para controlar suas posições no CG, LG e BS, em relação a distúrbios intrínsecos e/ou extrínsecos.

O que é treinamento proprioceptivo?

O treinamento proprioceptivo é muitas vezes descrito como exercícios de perna única (unipodal - Figura abaixo) usando diferentes implementos, tais como superfícies instáveis de vários tipos (bosu, balance pad, espuma, disco e etc). Supõe-se que superfícies instáveis criam um ambiente proprioceptivamente enriquecido que desafia progressivamente os proprioceptores e o sistema nervoso. Mas isso é uma verdade absoluta?


Para fins em uma abordagem terapêutica do desempenho motor através da recuperação dos déficits de propriocepção, parece ser justificada pelas observações clínicas de alterações funcionais e instabilidade articular. Por exemplo, tornozelo funcionalmente instável (TFI) experiência sensação de "dar forma" que são suscetíveis a entorses recorrentes do tornozelo (Hertel,J. 2000).Essa instabilidade do tornozelo existe após a recuperação de uma lesão ligamentar, tal como a entorse de tornozelo (Ross, S.E. and K.M. Guskiewicz, 2004).

Pois bem, eles investigaram o que contribui para essa instabilidade funcional do tornozelo mesmo após já estarem completamente "curados". Eles observaram que déficit de equilíbrio foi comumente demonstrado com TFI, sob condição de que não houve déficit de força na TFI, foi razoável especular que o equilíbrio de imparidade para essa população poderia ter sido causada pela alteração da função sensório-motora, ou seja, somente para esses casos.

Analisando a definição de propriocepção apresentada no início deste texto, podemos concluir que o treinamento proprioceptivo se refere a qualquer tipo de intervenção que promova feedback proprioceptivo e informação aferente ao SNC. Assim, mesmo exercícios de "mobilidade simples" são proprioceptivos, basta analisar as progressões e regressões dos mesmos dependo do nível atual do aluno/cliente, qualquer movimento novo irá formar um engrama motor e proprioceptividade.

Além disso, supõe-se que, ao fazer exercícios que estimulam os proprioceptores, a propriocepção melhorará e que essa melhora leva a um melhor equilíbrio. No entanto, não há evidência de que a propriocepção possa ser melhorada pelo treinamento.

A fim de melhorar a propriocepção, pelo menos uma das seguintes adaptações deve ser melhorada: Aquisição de estímulo mecânico, sua conversão para sinal neural, seguido de sua transmissão para o SNC. Sabe-se que a conversão de velocidade do estímulo em sinal neural e sua transmissão para o SNC não é variável, sendo seu valor fixo. (Lepart e Fu, 2000).

Assim, foi especulado que a única maneira possível de melhorar a propriocepção é através da melhoria da sensibilidade dos proprioceptores, como os fusos musculares. No entanto, a pesquisa apenas observou um aumento na taxa de disparo fusimotor dos fusos musculares, o que pode ser devido ao aumento da co-ativação alfa-gama durante o enrijecimento voluntário de um músculo, não significa necessariamente que propriocepção foi melhorada, sugerindo que mais estudos sobre são necessários (Granit, 1970).

Possível modulação volitiva da acuidade do fuso: O eixo do músculo é o único proprioceptor que pode ser modulado eferentemente devido à unidade do fusimotor, abaixo:


Por exemplo quando pensamos em idosos vem logo o "pensamento" em utilizar exercícios com a intenção da instabilidade, mas se analisar o corpo como um todo pode-se concluir que, o evento de queda (EQ) parece ocorrer por toda a vida independente da idade, sua incidência (40%) pode ser questionável, pois boa parte das pessoas não relata este evento, que pode ser erroneamente atribuído a idade. A prevenção do EQ em idosos tem sido grande foco da pesquisa mundial e a Posturologia Clínica parece resgatar o controle postural com estímulos mantidos em tempo hábil para promover mudanças no sistema sensorial e nas áreas do esquema corporal (neuroplasticidade) consequentemente prevenir o EQ e suas consequências (Bastos e at.2012).

Evidências demonstram que na ausência de doenças crônicas, clinicamente diagnosticadas, os estímulos visuais (motricidade extra-ocular) e vibratórios (exteroceptivos) estão geralmente diminuídos em idosos, podendo perturbar o ajuste do sistema sensorial e seu equilíbrio tônico postural, que está intimamente relacionado às quedas (Bricot, 2010). Assim, o controle do Sistema Tônico Postural (STP) tem sido considerado multimodal, pois possui mais de uma entrada aferente sensorial. Somente 10% da população parece responder aos critérios de normalidade postural e ajuste sensorial ideal, o que pode proporcionar maior controle postural. Os outros 90%, incluindo idosos, apresentam alterações em pelo menos um desses captores, saber avalia-los é fundamental.

Aplicações na prática e considerações:

Melhorias de equilíbrio envolve não só fatores neuromuscular e/ou músculo-esquelético, mas também é dependente de aprendizagem motora das tarefas e função do SNC, é importante notar que a prevenção de lesões requer mais do que melhora proprioceptiva isolado. As atividades em Closed -loop (fig.3) = "malha fechada" (tradução adaptada), (onde as informações aferentes assumem um papel importante), os movimentos conscientes e reativos de lento a moderadamente rápido, o equilíbrio estático em uma única perna utiliza uma contribuição importante do feedback proprioceptivo, no entanto, a fim de obter este feedback que leva cerca de 100 milissegundos. Este período de tempo excede o tempo disponível para evitar lesões durante tarefas críticas como corrida, onde a força de reação do solo atinge o nível prejudicial em menos de 50 milissegundos. Portanto, esse feedback proprioceptivo não é suficientemente eficaz para evitar lesões esportivas. (Magill, 2010, Milia et al., 1998).

Ex. de exercícios em Closed-loop: Realizar exercícios com diferentes implementos, halter, kettlebell, em polias, medicine ball, barras, peso corporal, modificar ponte de estabilidade e vetores e etc.


Em vez disso, o sistema em Open-loop (fig.4) = "malha aberta" (tradução adaptada), (principalmente informações eferentes do SNC ao sistema músculo-esquelético) assume um papel muito importante na prevenção de lesões, o SNC é, portanto, crucial para esse mecanismo antecipatório. Colocar essa aquisição e prática de habilidades motoras em diferentes contextos, como circunstâncias não-reativas e reativas, desafiando a tomada de decisões, padrões únicos ou sequenciados, baixas e altas intensidades, a preservação antecipada de rigidez muscular é conhecida por ser um mecanismo eficaz de proteção, reforçando a estabilidade e unidade fusimotora que são extremamente importantes para alcançar a aprendizagem motora e subsequente prevenção de lesões e melhoria de performance.

Ex. de exercícios em Open Loop: Exercícios coordenativos, velocidade de reação, mudança de direção através de comando verbal e etc.

Essa hipótese pode ser relacionada à plasticidade neuronal central que é suportada com evidências das adaptações do SNC que facilitam a recuperação de uma lesão, essas adaptações incluem reorganização dinâmica de áreas cerebrais, "redescoberta" de vias previamente reconhecidas, e aumento das conexões sinápticas entre neurônios.

No entanto, até hoje não existe evidência neurofisiológica suficiente que suporte a viabilidade da melhoria da propriocepção através do treinamento físico (Kim et al, 2011). Além disso, a propriocepção pode ser utilizada eficazmente apenas durante o controlo de movimento lento ou moderadamente rápido em closed-loop. Portanto, a ênfase excessiva na propriocepção pode ignorar o papel do sistema nervoso central (SNC) na realização de habilidades motoras.

Um programa de treinamento deve ser capaz de facilitar a adaptação ao SNC que é um fator-chave para o desenvolvimento de habilidades motoras e melhora do desempenho. A fim de criar um ambiente de aprendizagem ideal para o SNC, um programa de exercícios deve distintamente treinar habilidades motoras diferentes com objetivos de tarefa adequadamente mudando o ambiente sensorial, o SNC tem um papel muito importante, por isso deve ser dada ênfase nas estratégias de aprendizagem motora, a fim de melhorar o desempenho e reduzir efetivamente a probabilidade de lesão.

O suposto "treinamento" baseado pelo argumento que se ao utilizar de estímulos em bases instáveis com a intenção de melhorar o equilíbrio, propriocepção e prevenir lesões desportivas e quedas é uma inverdade, onde as evidências atuais não sustentam tal afirmação.

Fonte:

.Daehan Kim, Guido Van Ryssegem, Junggi Hong. Overcoming the Myth of Proprioceptive Training. CLINICAL KINESIOLOGY · JANUARY 2011.

.Ashton-Miller, J.A., E.M. Wojtys, L.J. Huston, and D. Fry-Welch. Can proprioceptioin really be improved by exercise?. Knee Surg, SportsTraumatol, Arthrosc. 9:128-136, 2001.

.Hertel, J. Functional instability following lateral ankle sprain. Sports Med. 29(5): 361-371, 2000.

.Needle A., Charles B.B.S., Farquhar W., Thomas S., Rose W. and Kaminski T., (2013). Muscle spindle traffic in functionally unstable ankles during ligamentous stress. J Athl Train. 2013;48:192–202.

.Tradução adaptada: https://btgap.org/2015/08/15/proprioceptive-training-are-you-really-improving-proprioception/

.Magill R.A., (2010). Motor learning and control: concepts and application. (9th ed.). New York, NY: McGraw-Hill, 2010.

.Proske U. and Gandevia S.C., (2012). The proprioceptive senses: their roles in signaling body shape, body position and movement, and muscle force. Physiol Rev. 2012;92:1651–1697.

.Pollock A.S., B.R. Durward, P.J. Rowe, and J.P. Paul., (2000). What is balance? Clin Rehabil. 14: 402– 406, 2000.

.Kulkarni V., Chandy MJ. and Babu KS., (2001). Quantitative study of muscle spindles in sub-occipital muscles of human foetuses. Neurol India 2001;49:355-9.


.Bricot B. Posturologia Clínica. São Paulo: Cies Brasil; 2010, 249p.

.Nélio Silva Souza, Ana Carolina Gomes Martins, Dionis de Castro Dutra Machado, Kátia Pedreira Dias, Sergio Nader, Victor Hugo Bastos. The Influence of Vision-Foot Axis In Morphoestatic Balance Regulation In Elderly. Rev Neurocienc 2012;20(2):320-327.

.Lephart, S.M., and F.H. Fu. Proprioception andneuromuscular control in joint stability. HumanKinetics. 2000.

.Ross, S.E., and K.M. Guskiewicz. Examinationof Static and Dynamic Postural Stability inIndividuals With Functionally Stable andUnstable Ankles. Clin J Sport Med. 14(6): 332-338, 2004.

#funcional #postura #propriocepção #treinamento #mitoseverdades #estabilidade #equilibrio

2,265 visualizações