• Diego Spinelli

Quando a Biomecânica é importante na dor, lesão e no desempenho.

Aqui tem 4 sugestões onde a biomecânica pode contribuir em casos de dor e lesão. Porém, você pode ter sua maneira de categorizar, mais utilizo esses critérios e venho aqui compartilhar com vocês.

⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀

⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀

➡️ 1) Atividades com altas cargas – Quando uma carga externa excede a capacidade do tecido tolerar o estresse, pode ocorrer uma lesão. Se você estiver executando um movimento com alguns tecidos próximos ao limiar de adaptabilidade ou força máxima do tecido, observar a biomecânica do movimento é importante!

⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀

⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀

➡️ 2) Desempenho – Sim, como você se move pode influenciar seu desempenho. Essa é provavelmente a área em que a biomecânica é mais importante. Saltar, levantar, arremessar e etc. podem ser influenciados pela qualidade do movimento. Mas dor e lesão são outras histórias.

⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀

⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀

➡️ 3) Preparação supera a qualidade - A importância do monitoramento da carga de trabalho aguda / crônica – Uma variável importante é a adaptabilidade e os seus limites. A questão aqui é que você precisa se preparar para o que irá se expor. Assumimos que as pessoas podem se adaptar às tensões exercidas sobre si mesmas e que o estresse não é uma coisa necessariamente ruim.  Mas, se as cargas biomecânicas excederem o que estamos preparados, é provável que irá se machucar.

⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀

⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀

➡️ 4) Dessensibilização temporária – A mudança da mecânica pode ser de grande ajuda. Se dói para flexionar a coluna, é útil adaptar e expor o movimento gradualmente para que pessoa consiga continuar fazendo o que gosta. Contudo, deve ser esclarecido que é algo temporário e que eles podem voltar a sua normalidade aos poucos. O que você não está dizendo é que existe uma maneira "correta" de se mover. Pelo contrário, existe uma maneira de se mover que é menos dolorosa para eles nesse momento.


Observação: A Questão 4 tem seu RISCO: Quando ensinamos as pessoas como se mover de maneira diferente para controlar sua dor, existe o risco de criar comportamentos de segurança e evitação inúteis. A modificação dos sintomas podem ser interpretadas e levadas a algumas intervenções extremas, por exemplo, não queremos que nossos alunos/pacientes pensem que precisam alinhar seus lóbulos das orelhas por causa de possíveis distorções em sua rede miofascial, ou que não podem fazer certos movimentos sem antes fazer correções elaboradas e uma verificação de como se mover. Podemos explicar isso como uma mudança temporária. Simples!

⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀

⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀

Existe a ideia de que a biomecânica seria uma opção, mas raramente é a única solução, para ajudar as pessoas que tem algum tipo de dor. Nesse caso, mudar a biomecânica ou ter uma abordagem "biomecânica" pode até ser útil. Porém, em alguns casos pode ser desnecessário. Uma sugestão prática seria que à medida que as cargas se tornarem mais altas e as lesões nos tecidos apenas mais um fator, a biomecânica se torna muito mais importante, e pode ser algo que se torne mais um requisito do que uma opção.

⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀

REFERÊNCIAS:⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀

📚 Inspirado no texto de Greg Lehman – When biomechanics matters in the management of pain, injury and a bit of performance (2017)


  • facebook-performancefuncional
  • youtube-performancefuncional
  • instagram-performancefuncional

Rio de Janeiro/RJ

+55 (021)